Secretário destaca o papel da negociação para o fim da rebelião no Compajaf

0

O secretário de Justiça e Defesa do Consumidor, Cristiano Barreto, considerou como extremamente positivo o desfecho das 19 horas de rebelião dos internos do pavilhão C do Complexo Penitenciário Advogado Antônio Jacinto Filho (Compajaf), ocorrida neste final de semana. No final, todos os 93 familiares dos internos foram liberados, depois de intensa negociação feita pelo assessor especial da Sejuc, coronel Reinaldo Chaves com três representantes dos internos. Não houve fuga de nenhum interno e trabalho das forças de segurança seguiu todo protocolo de segurança já previsto para momentos de crise.

Este resultado da rebelião foi apresentado hoje, 23, pela manhã, por Cristiano Barreto, durante entrevista coletiva no auditório da Escola de Gestão Penitenciária (Egesp), no bairro América. Durante a rebelião, foi montado um gabinete de crise na sala de direção do Compajaf, coordenado pelo secretário.  “As avaliações diárias da situação permitiram o desfecho satisfatório”, disse. Ele lamentou que o vice-diretor do Compajaf, Ronaldo Sandes, e um funcionário da Reviver tenham ficado feridos no início da rebelião.

O assessor especial da Sejuc, coronel Reinaldo Chaves, disse que o momento mais tenso das negociações foram as duas primeiras horas, porque os detentos estavam exaltados e era impossível manter o diálogo naqueles instantes. Conforme preconiza a doutrina em situações de crise, foi cortado o fornecimento de água e alimentos para o pavilhão C, onde estavam os presos rebelados. “Se não tivéssemos feito isso, provavelmente, eles estariam rebelados até hoje”, destacou o coronel Chaves.

Apoio – O comandante de Policiamento da Capital (CPMC), tenente-coronel Vivaldy Cabral, disse que ao receber o telefonema do secretário de Justiça, Cristiano Barreto, comunicando-lhe da rebelião, determinou que o Batalhão de Choques, Rádio Patrulha, Getam (Grupamento Especial de Motos), Cavalaria e 1º Batalhão fossem para o local.  “Todo protocolo de segurança foi adotado”, reforçou o tenente-coronel.

Assim como a Polícia Militar (PM), também foi mobilizada com rapidez o Corpo de Bombeiros, Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e o Gerb (Grupo Especial de Repressão e Busca), unidade de Polícia Civil. “Quero agradecer a todos que se somaram naquele momento, pois, com a ajuda de todos concluímos o trabalho com sucesso”, destacou o secretário, ao lembrar, também, do Grupo de Operações Penitenciárias Especiais (Gope) e Departamento do Sistema Prisional (Desipe).

Participaram da entrevista coletiva, além do secretário Cristiano Barreto, o assessor especial da Sejuc, tenente-coronel Reinaldo Chaves, o diretor do Desipe, Agenildo Júnior, o comandante do CPMC, tenente-coronel Vivaldy Cabral, e o Corregedor da Sejuc, o agente de Polícia Federal aposentado, Luiz Roberto Freitas.

Deixe Uma Resposta