Mobilidade em Aracaju está em risco

0
O sistema de transporte de ônibus de Aracaju e região metropolitana estão em risco de paralização diante do caos econômico em que se encontram. A queda no 0número de passageiros pagantes em 20,11%, o aumento dos custos com a operação do serviço em 45% e falta de compensação com reajuste tarifário nos últimos dois anos, resultou no desequilíbrio financeiro com desafio diário para a circulação regular do transporte.
Entre 2012 e 2017, foram 34,32% de acréscimo no valor do combustível e 44,05% na folha de pagamento dos rodoviários. Apesar disso, o número de linhas de ônibus cresceu no mesmo período 16,505%. O presidente do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Município de Aracaju (Setransp), Alberto Almeida, afirma que é complicado administrar uma boa frota, oferecer transporte de qualidade, quando a receita é gerada através da passagem de ônibus não cobrem os custos do sistema.
No ano passado foi enviado o estudo tarifário com à planilha de custos anual à Prefeitura de Aracaju, com a realidade gritante pontuada, mas até o momento não houve pronunciamento com solução. “Reforçamos nossa solicitação e pedimos uma reavaliação dos cálculos tarifários com base na lei estabelecida pela Câmara, que determina como fazer a planilha”, esclareceu Alberto Almeida, observando ainda que o valor da passagem corresponde ao custo do sistema divido pelo número de passageiros que pagam efetivamente pagam a tarifa.
O presidente do Setransp alerta que em Aracaju não há subsídio para o transporte público, como em outras capitais do Nordeste, então toda a manutenção de custos é feita através do pagamento da passagem pelos usuários. “Em dois anos a gratuidade aumentou em 35,42%. Quando os anos passam sem reajuste, a situação se complica ainda mais. A dívida dentro do sistema fica maior. Afeta a qualidade do serviço e a frota passa a ser velha, desgastada”, adverte o empresário.
Da assessoria

Deixe Uma Resposta