INSS: João Daniel denuncia sucateamento no órgão e apoia mobilização dos servidores

0

Na sessão da Câmara desta quarta-feira, dia 19, o deputado federal João Daniel (PT/SE) denunciou o sucateamento das agências do INSS por todo país e o desprezo do governo federal para com a autarquia, seus servidores e segurados. O parlamentar registrou que na última sexta-feira participou do ato dos servidores de Sergipe e na agência onde o protesto aconteceu todos os computadores haviam sido furtados na madrugada, pois a unidade está sem vigilante no período da noite. “Estamos vendo as agências abandonadas. É uma vergonha o Governo Bolsonaro, que trata os trabalhadores, os pobres, os aposentados e os servidores com desprezo”, afirmou.

O deputado acrescentou ainda que o que se vê em todo país são as filas para aposentadoria e outros benefícios concedido pelo INSS aos contribuintes. “É um verdadeiro desmonte! A cada dia que passa a situação é de mais caos para os servidores segurados”, completou João Daniel.

As centrais sindicais protestaram nas sedes do INSS em diversos estados contra as filas para a concessão de benefícios, que atingem quase 2 milhões de pedidos. O Dia Nacional contra o Desmonte da Previdência foi para alertar a população para as consequências da política de sucateamento adotada pelo governo. Sem repor funcionários que se aposentam, o Instituto vem perdendo a capacidade de analisar e atender pedidos de aposentadoria, auxílio-doença e salário-maternidade, dentre outros. O parlamentar lembrou que o salário-maternidade, por exemplo, antes concedido em 20 minutos, atualmente tem levado até mais de um mês para que a segurada inicie o recebimento.

De acordo com o deputado, entre os anos de 2016 e 2019 o quadro de servidores caiu de 33 mil para 23 mil. Os funcionários que antes faziam o atendimento direto à população foram deslocados para funções internas. Para ele, a intenção do governo é “digitalizar” o atendimento, assim as filas para a concessão de benefícios não se tornam visíveis. “Anteriormente, o trabalhador conseguia marcar atendimento até mesmo para o mesmo dia. Hoje, o agendamento do primeiro atendimento pode levar meses”, disse.

Isso porque, explicou João Daniel, o governo colocou o pessoal que atendia nos balcões das agências para fazer trabalhos de retaguarda, como se todos os brasileiros tivessem computador em casa e facilidade para usar canais remotos. “Nosso total apoio aos companheiros e companheiras do Sindiprev e Dataprev e saibam que estaremos na luta contra esta proposta de reforma administrativa que o governo federal quer implantar que só vem penalizar os servidores e segurados”, afirmou o deputado petista.

Deixe Uma Resposta