Contra a privatização dos Correios, Frente Parlamentar Mista será lançada em Sergipe

0

 

Empresa pública superavitária, fora da lista das que dependem do Tesouro Nacional, presente em todos os municípios brasileiros e com um quadro de 105 mil trabalhadores em todo país, os Correios estão na mira do governo federal para ser privatizada, inclusive os estudos para a entrega ao capital privado já foram iniciados. Para debater as consequências dessa possível privatização foi realizada uma audiência pública, na tarde desta quinta-feira, dia 11, no Centro Cultural de Aracaju. Autores do requerimento para sua realização, os deputados federais João Daniel (PT/SE) e Leonardo Monteiro (PT/MG) não puderam estar presentes, por se encontrarem em Brasília, por conta da convocação da Câmara para a continuidade da votação da reforma da Previdência.

 

Mesmo assim eles participaram do debate, através de vídeo conferência, e destacaram a importância da audiência para que os trabalhadores, sindicalistas e estudiosos debatessem sobre a importância estratégica e social dos Correios para o Brasil. A audiência foi conduzida pelo vereador Camilo Lula (PT), que também havia aprovado requerimento na Câmara de Vereadores de Aracaju para a realização do debate, que teve a participação de trabalhadores da empresa, do coordenador geral do Sindicato dos Trabalhadores dos Correios em Sergipe (Sintect/SE), Jean Marcel; o dirigente da Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos e Similares (FENTECT), Joel Arcanjo; o deputado estadual Iran Barbosa; o presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT/SE), Rubens Marques; o pesquisador da Universidade de São Paulo (USP), Igor Venceslau; o ex-governador Jackson Barreto, que foi servidor dos Correios; as vereadoras Ledinha, de Itabaianinha, presidenta da União dos Vereadores em Sergipe, e Cocotinha, do município de Malhada dos Bois.

 

Os deputados João Daniel e Leonardo Monteiro falaram da disposição de lançar em Sergipe, ainda no mês de agosto, a Frente Parlamentar em Defesa dos Correios, diante da importância da empresa para os trabalhadores e toda população e para fortalecer a luta contra a privatização. “A história dos Correios se confunde com a história do Brasil. É uma instituição que precisa ser preservada. Por isso assumimos o compromisso de fazer esse lançamento”, disse o deputado Leonardo Monteiro. “Junto com a Frente Parlamentar Nacional queremos lançar a Frente em Sergipe, compondo a do Nordeste, e junto com as Câmaras de Vereadores ampliar esse debate e levar à população, porque estamos defendendo um projeto de nação em esses trabalhadores e trabalhadoras estão ameaçados caso haja a privatização”, ressaltou João Daniel.

 

Estratégica

Ao fazer sua apresentação, com o tema “O papel estratégico dos Correios como empresa pública”, o pesquisador Igor Venceslau expôs resultados da sua pesquisa. Ele destacou que o serviço postal é um serviço crescente no Brasil, especialmente nos últimos três anos. A cada ano são mais de nove bilhões de objetos postais entregues no Brasil e a internet tem impulsionado o serviço postal, que está presente em todo país. E o crescimento dos consumidores no mundo virtual, que têm suas encomendas entregues através dos Correios, é um filão que tem crescido os olhos da iniciativa privada. De 2013 para 2017 o número de consumidores eletrônicos cresceu de 14 milhões para 25 milhões.

 

Mais do que lucro – que não é o objetivo da empresa pública –, Venceslau também destacou a importância do correio público no país, no que se refere à sua importância social e cidadã. Isso porque a empresa é responsável, entre outras atribuições, pela emissão de cadastro de pessoa física (CPF), banco postal, responsável pela distribuição do sistema eleitoral, pela operacionalização do Plano Nacional do Livro Didático (PNLD/FNDE), na distribuição de vacinas do Sistema Único de Saúde (SUS), das avaliações do Ministério da Educação, concursos públicos, entre outras. “O Estado é extremamente beneficiado por ter uma empresa postal pública”, avaliou o pesquisador, ressaltando os princípios dos Correios de inviolabilidade, universalidade e o monopólio estatal.

 

Na contramão

O presidente da CUT observou que o Brasil insiste na retomada de um programa de privatização, que inclui os Correios, quando muitos países do mundo vão na contramão. Ele citou dados de que do ano 2000 a 2017 foram 348 reestatizações, em diversas áreas. Nos estados Unidos chegaram a 67 e na Espanha, 56. “Embora o lucro não seja o objetivo de uma empresa pública, se formos olhar por isso vemos os Correios dando lucro, que no ano de 2017 chegou a R$ 667 milhões. Precisamos de luta de massas e povo nas ruas para impedir a privatização dos Correios”, declarou.

 

O ex-governador Jackson Barreto agradeceu ao deputado João Daniel o convite para participar da audiência pública, diante da importância de se debater a importância dos correios enquanto empresa pública. “Contem sempre com o nosso compromisso com essa luta. A caminhada é longa, mas é preciso se dar o primeiro passo e essa mobilização pode conter esse movimento de privatização”, disse.

Deixe Uma Resposta