Com redução de 12,9% Sergipe sai da primeira para sexta posição no ranking dos estados mais violentos

0

Entre as capitais, Aracaju sai da liderança e vai para a sétima colocação em lista divulgada pelo Fórum Brasileiro da Segurança Pública nesta quinta-feira

Na manhã desta quinta-feira, 9, o Fórum Brasileiro de Segurança Pública divulgou dados sobre mortes violentas em 2017, que são as seguintes: homicídio doloso, latrocínio, lesão corporal seguida de morte e confronto. Com uma redução de 12,9%. Sergipe saiu da primeira para sexta posição no ranking. Entre as capitais, Aracaju sai da liderança e vai para a sétima colocação.

As taxas divulgadas trazem uma estatística para cada 100 mil habitantes. Entre os estados brasileiros, o Rio Grande do Norte é quem tem o maior número: 68. O Acre vem em segundo com 63,9 e o Ceará é o terceiro com 59,1. Pernambuco atingiu 57,3 e foi o quarto da lista. Alagoas fechou o ranking dos 5 mais violentos com a taxa de 56,9. Sergipe aparece em sexto com 55,7.

Entre as capitais, Aracaju saiu do primeiro lugar para o sétimo, com uma taxa de 55,7. A cidade sergipana teve uma redução de 20,4%. Rio Branco/AC assumiu a liderança com 83,7. Fortaleza/CE é a segunda colocada com 77,3. Belém/PA ficou em terceiro com 67,5 e Natal logo em seguida com 67,2. Macapá/AP fechou a lista das cinco capitais mais violentas com 65,9.

A Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP/SE) relaciona esses números com investimentos em pessoal, em tecnologia e inteligência e na concreta integração entre a Polícia Militar e a Polícia Civil. O trabalho em conjunto do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) e do Departamento de Narcóticos (Denarc) também tem sido fundamental para baixar os números. Através de tudo isso diversas ações foram realizadas e se tornaram importantes para as reduções apresentadas.

A SSP/SE também tem realizado discussões semanais sobre as áreas mais problemáticas, com maior índice de violência, com o emprego de ações da PM e de investigações da PC nessas regiões.

Da assessoria

Deixe Uma Resposta