Ajuste da máquina

0

 

Por Rita Oliveira

O governador reeleito Belivaldo Chagas (PSD) ainda não começou a discutir com aliados a composição do seu novo governo. Aguarda a apresentação da proposta de reforma administrativa, com fusão de secretarias e extinção de alguns órgãos, que espera economizar em torno R$ 50 milhões.

A expectativa é que a reforma seja concluída até o final deste mês para que possa ser encaminhada para a Assembleia Legislativa para análise e votação antes do recesso parlamentar, que começa a partir de 15 de novembro.

Já com a definição de como será o formato do novo governo, cujas secretarias podem baixar de 22 para em torno de 14, Belivaldo sentará individualmente com os aliados para definir os espaços de cada agrupamento político.

Os grupos fortes são os dos Reis, que reelegeu o deputado federal Fábio Reis e a deputada estadual Goretti Reis; os Mitidieri, que reelegeu o deputado federal Fábio Mitidieri e elegeu Maísa Mitidieri deputada estadual, e é do partido do governador; o do petista eleito senador Rogério Carvalho, cujo partido reelegeu o deputado federal João Daniel e mantém bancada de dois deputados na Assembleia Legislativa, e elegeu ainda a vice-governadora Eliane Aquino; e o de Laércio Oliveira (PP), reeleito deputado federal.

Belivaldo pode ter um pouco de dificuldade para o entendimento com esses agrupamentos em razão da redução do tamanho da máquina do estado com a reforma administrativa a ser implementada em 2019, para que possa se adequar a crise econômica e se precaver do que pode vir do governo do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL).

Segundo um aliado do governador, ele fará indicação pessoal em algumas secretarias cruciais, a exemplo da Fazenda e Saúde, e não aceitará, em hipótese alguma, entregar qualquer órgão do primeiro e segundo escalão de “porteira fechada”. “Ele já chegou a declarar que quem quiser porteira fechada, que compre uma fazenda. A ideia é ter sempre alguém da sua confiança em algum cargo em cada órgão”, afirmou.

Disse à coluna que Belivaldo quer evitar o que aconteceu, por exemplo, no ITPS, ocupado pelo PRB no governo Jackson Barreto, em que o partido tinha deixado o governo há meses, mas um cartão corporativo de abastecimento de combustível continuava sendo usado por pessoas vinculadas a legenda e já fora do governo.

Ainda de acordo com o aliado, na definição da equipe de governo o governador reeleito vai exigir que aliados apresentem nomes com capacidade técnica para que possa escolher um. Está certo em exigir isso, para que não sejam colocadas no comando dos órgãos do estado pessoas sem a devida qualificação e preparo, o que traria prejuízos para gestão e a sociedade.

Belivaldo vai precisar, nesse primeiro momento de necessidade de ajuste da máquina e de crise econômica, da compreensão de todos os aliados para que possa cumprir suas propostas de governo e, consequentemente, proporcionar o desenvolvimento econômico e social do estado. E, principalmente, pagar salário de servidores públicos, aposentados e pensionistas dentro do mês, e não atrasar pagamento a fornecedores.

………………………………………………………………………………………………….

Secom

No projeto de reforma administrativa do governo, a Secretaria de Comunicação pode virar uma superintendência (Superintendência de Estado da Comunicação). Estaria vinculada a nova Secretaria Geral de Governo, que seria formada com a fusão das Secretarias de Governo, Casa Civil e Comunicação.

Para PM

Nos corredores do Palácio de Despachos circula a informação de que o chefe do Gabinete Militar, coronel Eduardo Henrique, poderá ser o novo comandante da Polícia Militar. O governador Belivaldo Chagas (PSD) tem ouvido muito o coronel.

Especulação 1

Entre aliados, o comentário é que no novo governo de Belivaldo é certo mudanças nas Secretarias de Saúde, Educação, Infraestrutura e a saída do governo dos secretários peemedebistas Benedito Figueiredo (Governo) e João Augusto Gama (Cultura), até porque essas secretarias vão se fundir com outras.

Especulação 2

Um dos aliados com mandato parlamentar disse à coluna acreditar que o PRB de Jony Marcos e Heleno Silva não voltará a participar do governo.  Revela que essa não é só uma vontade do governador, mas, também, dos aliados que ficaram ao seu lado quando só tinha 4% nas pesquisas de intenções de votos.

Especulação 3

Dificilmente o deputado estadual não reeleito Robson Viana (PSD), na condição de primeiro suplente da próxima legislatura, assumirá mandato na Assembleia Legislativa em 2019. É que foi cogitado a possibilidade do deputado estadual reeleito Garibalde Mendonça (MDB) assumir uma secretaria para que ele pudesse continuar na Alese. O impasse é que Garibalde, por ser engenheiro, pediu a Infraestrutura de portas fechadas, o que Belivaldo já disse que não fará.

Eleição na Alese 1

Pelo companheirismo e lealdade do presidente da Assembleia Legislativa, Luciano Bispo (MDB), o governador Belivaldo Chagas tinha se comprometido a, sendo reeleito governador, apoiar o seu nome para permanecer como presidente da Alese nos dois primeiros anos da próxima legislatura. O 1º secretário Jeferson Andrade (PSD) só entrou na disputa pelo cargo de presidente depois que tomou conhecimento que Luciano teria convidado o Capitão Samuel (PSC) para compor a sua chapa como 1º secretário.

Eleição na Alese 2

Na conversa com Belivaldo Chagas, Luciano Bispo e Jeferson Andrade se entenderam e vão disputar a eleição com os cargos que já ocupam na Casa. Com isso, a disputa agora na Mesa Diretora da Assembleia Legislativa está para os outros cargos: vice-presidente, 2º, 3º e 4º secretário. Todos que estão nesses cargos querem se manter no posto e o líder do governo na Alese desde o governo Marcelo Déda, Francisco Gualberto (PT), quer deixar a liderança e fazer parte da Mesa.

Eleitos com Bolsonaro 1

Belivaldo recebeu ontem convite para participar de reunião dos governadores eleitos este ano a ser realizada na próxima quarta-feira, 17, em Brasília, com as presenças do presidente eleito Jair Bolsonaro e dos anunciados ministros Paulo Guedes (Fazenda) e Onyx Lorenzoni (Casa Civil). Ela ocorrerá no Centro de Convenções Ulysses Guimarães entre 9h e 14h30.

Eleitos com Bolsonaro 2

Os co-anfitriões da reunião são os governadores eleitos Ibaneis Rocha (MDB-DF), João Doria (PSDB-SP) e Wilson Witzel (PSC-RJ), que criaram a Frente de Governadores pelo Brasil. A reunião começou a ser articulada no fim de semana, em São Paulo, quando os três governadores se encontraram no hall de um hotel da capital.

Chapa feminina 1

A vereadora Emília Correa (Rede), que foi bem votada na capital para deputada federal nas eleições deste ano, não descarta a possibilidade de disputar a Prefeitura de Aracaju em 2020 tendo como candidata a vice-prefeita a delegada Danielle Garcia.

Chapa feminina 2

Afirma Emília: “Existe esse desejo das pessoas, sinto que a delegada está preparada, mas como tudo na minha vida, deixo primeiramente nas mãos de Deus. Se for da vontade Dele vai acontecer. Temos sido agraciadas, quase que aclamadas por falas do povo nas redes sociais e nas comunidades por onde tenho passado. Se de fato acontecer, será maravilhoso estar ao lado da delegada Danielle Garcia, uma amiga que sinto realmente estar preparada”.

Veja essa…

A Consultoria de Orçamentos, Fiscalização e Controle do Senado estima um impacto de pelo menos R$ 5,3 bilhões anuais no orçamento da União, levando-se em conta o “efeito cascata”, caso o reajuste para cargos de ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) e de Procurador-Geral da República (PGR) aprovado anteontem pelo Senado, seja sancionado pelo presidente Michel Temer. O reajuste de 16,38% nos salários, que passarão de R$ 33.763 para R$ 39.293, vai gerar um efeito cascata na remuneração de outros órgãos da administração pública federal e estaduais. Esse aumento é imoral em razão da atual conjuntura, quando o trabalhador brasileiro e servidores públicos não estão tendo qualquer percentual de reposição da inflação.

CURTAS

O Tribunal Regional Eleitoral (TER) marcou para o dia 17 de dezembro a diplomação dos candidatos eleitos para os cargos de governador, vice-governador, senador, deputado federal e deputado estadual. Será às 17, no Teatro Atheneu.

Do presidente estadual do PPS, Clóvis Silveira: “Mesmo indicando o contrário, espero sinceramente que os novos eleitos não se contamine ou não coloque para fora o que tem dentro: a mesmice. Pois como é sabido se você quer conhecer o homem, der-lhe o poder”.

Clóvis deve perder o comando do PPS em Sergipe, caso o senador eleito delegado Alessandro Vieira deixe a Rede para ingressar no partido. É que a condição para o delegado se filiar a legenda é comandá-la no estado.

O deputado federal André Moura (PSC/SE) continua trabalhando para a liberação de recursos para Sergipe. Garantiu a liberação de recursos para obras de saneamento básico a prefeita Elayne de Dedé (Malhador) e de abastecimento de água ao prefeito Danilo de Joaldo (Itabaianinha).

André recebeu os dois prefeitos na liderança do Governo no Congresso, em audiência com a presença do presidente da Fundação Nacional de Saúde (Funasa), Rodrigo Dias.

Foto legenda

O prefeito Edvaldo Nogueira (PCdoB) recebeu ontem, em seu gabinete, o deputado federal eleito Gustinho Ribeiro, que se colocou à disposição da Prefeitura para lutar pelos interesses da capital na Câmara Federal. “Serei um parceiro de Aracaju”, disse o deputado.

Edvaldo comemorou o apoio de Gustinho. “Ele é um jovem deputado, que agora chega à Câmara Federal e, acredito, fará um grande trabalho pelo nosso povo. É motivo de muita alegria saber que Aracaju poderá contar com ele em Brasília”, disse.

Deixe Uma Resposta